O melhor conteúdo da região

Tecnologia do Blogger.

Confirmado primeiro caso da Febre Chikungunya em Petrolina

Publicado em 17/11/2014, às 11h38 e atualizado às 22h49
Da Redação

O primeiro caso da febre Chikungunya foi confirmado em Petrolina. Trata-se de uma paciente que mora no Projeto C1, zona rural da cidade, mas não teve o nome revelado. A mulher, segundo a secretaria de Saúde, contraiu a doença durante uma viagem à Feira de Santana (BA), cidade com número alto de casos confirmados da doença. A paciente está sendo assistida pela equipe de profissionais da unidade de saúde da localidade e recebendo o tratamento adequado.

“Este é um caso importado, já que a usuária viajou no mês de agosto para a cidade de Feira de Santana, na Bahia, local onde mais de 400 casos já foram confirmados. Além deste caso, temos dois casos suspeitos e no prazo de 10 a 15 dias teremos o resultado para confirmar ou descartar a doença”, contou a diretora de Vigilância em Saúde Catarina Sulpino.

Outro caso está sendo investigado, dessa vez na comunidade do João De Deus, maior bairro de Petrolina.

Prevenção

A coordenadora de Vigilância Epidemiológica, Silvana Mudo, explica que a prevenção “consiste em adotar medidas simples no próprio domicílio e arredores que ajudem a combater a proliferação do mosquito transmissor da doença, É preciso não deixar água parada em recipientes”, alertou.

Sobre a Chikungunya

Febre Chikungunya é uma doença parecida com a Dengue, causada pelo vírus CHIKV, da família Togaviridae. Seu modo de transmissão é pela picada do mosquito Aedes Aegypti, mesmo causador da Dengue. Ao contrário da dengue, a chikungunya não evolui para a forma hemorrágica, mas os sintomas podem ser ainda mais fortes do que os da dengue, a exemplo de dores de cabeça, febre, vômito, dores em diversas partes do corpo, entre outros.

Compartilhe no Google +

Blog Revista do Vale

Os comentários publicados abaixo são de total responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião da Revista do Vale.
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Postar um comentário